Pausa

Devido ao facto de trabalhar como free-lancer, não posso programar férias. Nunca pude. Das vezes que o fiz, algumas não correram bem. Cheguei a assinalar estadias que não pude usufruir! Esta realidade levou-me a aprender a desfrutar das pausas. Foi o que aconteceu estes dias.

Por ser uma semana relativamente calma no projeto no qual estou inserida, fui presenteada com dois dias de folga extra. Dois dias colados ao fim-de-semana resultam em mini-férias! Assim, rumei ao sul onde já se encontrava parte da família.  Deixei literalmente o trabalho em pausa e abracei o sol, os banhos de mar e o dolce farniente.

Muitos, eu inclusive, diriam que mini-férias não são férias, que ir para sul uns dias não é o mesmo que apanhar um avião para o outro lado do mundo durante vinte ou trinta. Basicamente, muitos diriam que me estou a enganar a mim própria, a contentar-me com pouco. Em certa parte até concordo, mas só em certa parte e não na totalidade.

Trata-se de uma pausa, não de uma paragem! Entre um ponto e o outro do nosso caminho há escalas efectivamente, mas também há pequenas brechas que podem ser preenchidas da melhor maneira que conseguirmos. E esta foi a minha!