Hamburgo

Hamburgo das pontes,

dos canais, dos desamores,

Porto de chegadas e de partidas

de vidas e de contentores.

Hamburgo do nevoeiro matinal,

Do vento gélido de inverno,

Dos edifícios da era industrial,

Dos telhados de verde terno.

Cidade de marinheiros e petroleiros,

Barcos de porte grande, pequeno e médio,

Desde a intensa história ao comércio,

Não há margem para tédio.

Hamburgo da arquitetura e da engenharia

Dos tempos passados e contemporâneos,

Hamburgo das torres de imensa altura

E dos longos túneis subterrâneos.

Hamburgo dos passeios à beira da água,

Sem pressa, a pé ou a pedal

Hamburgo da vida noturna boémia,

Comum a um porto fluvial.

Umas pessoas ficam, outras vão,

Encantadas ou desapontadas.

Hamburgo de inverno ou de verão,

Vale a pena ser viajada.