E SE FOSSES TU? de Tristão de Andrade

Já pensaram em quantos fatores em sintonia são necessários para que uma relação amorosa flua? As características de cada um, a bagagem emocional que transportam e os humores do momento, sem mencionar os fatores exteriores.

É precisamente de amor que Tristão de Andrade nos fala neste livro. Um convite ao leque de sentimentos que o amor agita, tanto na esperança como na desilusão, assim como também na vontade de acreditar e viver um amor.

Abre o coração porque no ar pode andar sempre esse aroma de conflito e discussão.

 

Contracapa do livro E SE FOSSES TU?

A contra capa anuncia claramente o tema do livro: o amor!

Procurar o amor numa praia deserta de um mar azul ao pôr-do-sol, numa viagem de sonho ou numa noite de festa é possível. Mas o amor, se existir mesmo, surgirá também em momentos de tristeza, numa maré baixa da vida, numa perda de norte. Esse amor que prevalece apesar dos cenários, esse é o verdadeiro. Devemos procurá-lo na nossa vida, na real, na de todos os dias.

É precisamente desta parte da vida que fala E SE FOSSES TU? É um convite constante a colocarmos-nos no coração do outro. Um exercício necessário em todas as relações, principalmente numa relação de tamanha proximidade. E SE FOSSES TU? a ser amada conforme o protagonista ama? E SE FOSSES TU? a perder o norte?

 

A minha opinião

Este livro é uma balada de amor. Conforme fui lendo, fui relembrando momentos diferentes do meu casamento, que já é maior de idade. São muitos os desafios de uma relação a dois, mas são imensas as compensações. Porque afinal os obstáculos, as contrariedades, os desafios, também os vamos encontrar numa vida solitária. E o amor não floresce porque sim. Temos de o regar, por vezes com risos, abraços, beijos, outras vezes com lágrimas, dúvidas.

É triste romances tão lindos começarem a perder o fulgor. É por isto que é tão importante falar de amor.

Quando iniciei a leitura deste livro, uma vez mais, lancei-me sem ler a sinopse ou opiniões. Fui surpreendida nas primeiras páginas com uma prosa aparente que culminava demasiadas vezes em rima para não ser propositada. Umas palavras pareciam puxar as outras. Percebi depois que a escrita de Tristão de Andrade é poesia autêntica.

E se fosses tu, agora, a ler este livro?

Deixe uma resposta

*