João Reis e o absurdo da existência

Escrever - Palavra de Autor - João Reis

Apesar de ler muito desde pequeno e de trabalhar com livros, não foi o sonho que o tornou escritor, mas sim a necessidade de escrever. Talvez tenha sido o absurdo da existência, foco de todos os seus protagonistas. Curiosos? Vamos conhecer o autor João Reis!


O que lhe deu vontade de escrever livros? 

Não sei apontar um motivo em concreto. Já trabalhava com livros há alguns anos, tinha sido editor e era (e ainda sou) tradutor, e a escrita surgiu de repente. Leio muito desde pequeno, mas nunca sonhei ser escritor, de todo. Creio que surgiu por necessidade.
É uma pulsão, quase uma doença.

Onde encontra a inspiração?

No dia-a-dia, no absurdo da existência, em notícias de todo o género, na minha vida, em obras de arte – sobretudo em livros.

O que retratam os seu livros? 

Os meus livros são bastante diferentes no que concerne a épocas e circunstâncias de ação, mas todos eles são narrados por pessoas que estão, de uma maneira ou de outra, à parte, e que são em grande parte observadoras desajustadas da norma, e por conseguinte sensíveis ao absurdo da existência humana. E que têm também uma visão sarcástico-pessimista da humanidade.

 

Hábitos de escrita: Onde escreve? Em que momento do dia? Quanto tempo dedica à escrita?

Escrevo sobretudo em casa, mas já escrevi em bibliotecas, na rua, em transportes. Não dedico uma altura do dia à escrita, até porque não escrevo todos os dias. Só escrevo algumas semanas por ano, pois tenho de traduzir a tempo inteiro.

Tomo, isso sim, notas ao longo do ano, reunindo assim as minhas ideias e observações.

 

Improvisa à medida que escreve ou conhece o fim antes de escrever?

Normalmente, conheço o início e o fim do livro, sim, assim como alguns pontos-chave da narrativa. De resto, improviso e entrelaço ideias.

 

Qual é o seu livro preferido?

É-me impossível apontar apenas um.

Quase todos os livros de Céline, Hamsun, Gert Hofmann e Thomas Bernhard; Berlin Alexanderplatz, de Alfred Döblin, Vilnius Poker, de Ricardas Gavelis; e muitos mais.

E, por fim, uma breve mensagem de incentivo para quem gosta de escrever e pretende publicar. 

Se querem escrever, tentem sempre aperfeiçoar-se, porque uma obra nunca está terminada.

Muito obrigada, João!

Escrever - Palavra de Autor João Reis

Podem seguir o trabalho do autor João Reis aqui:

Se Com Pétalas ou Ossos de João Reis

2 Comments

Deixe uma resposta

*