Patrícia Morais e o sonho de ser escritora

Escrever - Palavra de Autor(a) - Entrevista Patrícia Morais e o sonho de ser escritora
Pela (bendita) culpa da leitura do seu primeiro livro, a nossa convidada de hoje sonhou em ser escritora aos 9 anos. Desde então, corre atrás da imaginação para não perder as sensações provocadas pelos livros.“Descrever as experiências dos nossos personagens é fantástico, mas viver as experiências dos nossos personagens é fenomenal.” Vamos passar um momento no mundo da autora Patrícia Morais.

O que lhe deu vontade de escrever livros? 

Desde que aprendi a escrever que adoro colocar as minhas ideias no papel, mas o sonho de vir a ser escritora só veio mesmo aos 9 anos quando li o meu primeiro livro a sério, Harry Potter e a Pedra Filosofal.

A minha imaginação de criança começou a correr a toda a velocidade e, soube desde aí que não queria perder a sensação que os livros me provocavam.

Onde encontra a inspiração?

Nos mais variados sítios, às vezes é tudo uma questão de olhar para o mundo com olhos de escritor. A inspiração para o meu primeiro livro veio com a simples imagem de uma árvore coberta de nevoeiro.

Os livros, filmes e as séries podem ser boas ajudas, mas não há nada que me inspire mais do que uma caminhada pela floresta com música e um caderno.

 

O que retratam os seus livros?

Sombras” e “Chamas” contam a vida de Lilly, que depois de perder a família junta-se a uma organização de caçadores do sobrenatural. Pelo que o principal tema dos livros é o sobrenatural. Procuro lendas e criaturas mitológicas reais e depois utilizo-as como inspiração para os livros do mundo de Sombras. Existem também outros temas retradados nos livros, nomeadamente a perda e o luto, a família e amizades, e um pouco do debate entre o instinto e a moral.
Crónicas de Shaolin” é um retrato real do que passei, enquanto aluna de Kung-Fu numa academia na China. É uma mensagem de inspiração, mas também de honestidade: viajar pelo mundo não nos vai curar dos nossos problemas se continuarmos a fazer os mesmos erros.

 

Hábitos de escrita: Onde escreve? Em que momento do dia? Quanto tempo dedica à escrita?

Tento sempre criar uma rotina de escrita. Num dia ideal essa rotina consistiria em pegar na minha caneca de café às 5:30 da manhã e sentar-me na secretária, para depois escrever no mínimo 1,500 palavras. Mas isso raramente acontece. Acabo por escrever deitada na cama e distraio-me com o Linguee e a Infopedia. Passado 3 horas vejo que afinal só escrevi 1000 palavras, mas convenço-me que o dia foi produtivo. Ora, isso acontece na maioria dos dias, mas também tenho alturas boas, quando estou tão focada que passo um fim de semana inteiro sem ver a luz do sol e depois pergunto-me para onde foram as horas.

Improvisa à medida que escreve ou conhece o fim antes de escrever?

“Sombras” era suposto ser um livro único, pelo que eu achava que já sabia o final. Mas à medida que o escrevia, completamente improvisado, sabia que havia mais história para contar. Os outros foram escritos com outlines e um conhecimento claro do que seria o final. Mas isso não significa que não improvise.

Na minha escrita, apesar de saber o A e o C de uma história, muito do B acaba por ser improvisado.

Qual é o seu livro preferido?

Os meus livros preferidos ainda hoje são os do Harry Potter, já os reli a todos mais do que 5 vezes e ainda não descobri qual é o segredo que me faz ficar tão agarrada às páginas (mesmo quando às vezes só quero confirmar uma dúvida).

Uma breve mensagem de incentivo para quem gosta de escrever. 

Se escrever é mesmo algo que gostas então nunca desistas, nem mesmo quando perdeste a vontade. Há sempre coisas que podem ser feitas que te vão tornar um escritor melhor e que nem sempre envolvem escrever. Estuda os textos dos teus escritores preferidos, procura ideias nos filmes, mantém um caderno por perto e anota as tuas ideias soltas. Acima de tudo vive com afinco e toma nota dessas experiências,

porque um escritor não passa da soma de todas as suas experiências.

E vais ver que quando a vontade voltar, todos estes pequenos detalhes estarão guardados num canto da tua mente e são eles que vão fazer com que as tuas histórias ganhem vida.

Obrigada por esta oportunidade.
Um abraço.
Muito obrigada, Patrícia!
Escrever - Palavra de Autora - Patrícia Morais
Eis onde podemos acompanhar o trabalho desta autora:
IG: @pa7riciamorais
Facebook: Patrícia Morais

Deixe uma resposta

*